Tempo x custo: vale o investimento?

Outro dia recebi um quote com a seguinte pergunta: “quantos dias você gasta para comprar o que deseja?” Muitas vezes não paramos pra pensar, quando fazemos uma compra,  que não estamos investimos só dinheiro. Pra toda quantia que desembolsamos foi necessário dispormos de tempo, de conhecimento, de energia. E apesar de serem imensuráveis são fatores que podem ser levados em conta na hora de comprarmos ou não algo.

1

Consumir muitas vezes segue uma lógica simples: tenho dinheiro, vou comprar. Porém, em época de crise e principalmente de movimentos que nos fazem pensar cada vez mais em comprar consciente, é necessário entendermos que toda compra é investimento. Investimento de dinheiro sim, mas principalmente de vida!

Coloque no papel o quanto você ganha e quantos dias ou horas você trabalha. Agora pegue o valor da última coisa que você comprou. O quanto você demoraria pra pagar?

2

Com essa fórmula básica, dá pra ter pelo menos uma ideia de quanto tempo teríamos que dispor pra comprar algo. Já aconteceu comigo muitas vezes de não conseguir comprar algo que me exigia mais, pois acabava passando outras coisas menos importante a frente por exigirem menos.

Claro que o ato de comprar envolve muitos fatores e não é errado querermos ter algo. O importante é que possamos cada vez mais estamos conscientes, diminuindo compras por impulso ou para camuflar qualquer outro problema que temos, já que é comprovado que comprar traz um bem estar, mas é um sentimento passageiro.

Não é primeira vez que esse tema aparece aqui – 1, 2, 3 – e como já disse, acredito que consumir melhor é um exercício diário. Algumas vezes escorregamos, caímos em uma ou outra tentação, mas quanto mais a gente valoriza aquilo que conquistamos, menos necessitamos de algo novo todo dia.

Hoje sinto mais prazer em passar um mês sem comprar nada do que comprar algo e depois ver que eu nem queria tanto assim. Fácil não é, mas pelo menos pra mim, está sendo um processo recompensador. Alguém aí também tá se desafiando a consumir melhor? 

7 dicas pra comprar mais consciente

0508

Estamos naquela época do ano em que saímos de casa e em todas as lojas só vemos duas coisas: promoção ou lançamento de coleção. Aí pode dar aquela vontade de sair comprando tudo, né? Mas calma, são nessas horas é que a gente acaba adquirindo aquelas peças que na empolgação a gente achou que ia usar muito, mas acabaram ficando esquecidas no fundo do armário.

Já contei em alguns posts (aqui e aqui) no blog que estou em uma busca por um consumo mais consciente e passei a aproveitar essa época para adquirir coisas que realmente estou precisando ou que estava querendo muito, mas não queria pagar o preço cheio. 

E as dicas que tenho pra dar que estão funcionando pra mim são:

  1. Mantenha tudo no seu armário bem visível. O que não se vê, a gente acaba não usando. Sabendo tudo o que você tem, dá pra tirar coisas que não usa há muito tempo e dar espaço a coisas novas.
  2. Faça uma lista do que você precisa. Eu deixo sempre uma caderneta dentro de uma gaveta no armário e toda vez que arrumo ou que vou sair e sinto falta de uma peça específica, eu anoto! Assim sei exatamente o que preciso comprar e já saio focada nessa lista, o que evita que eu gaste com outras coisas.
  3.  Pense no seu estilo, seu corpo e seu dia-a-dia. Sabendo do que você gosta, o que te veste bem e as ocasiões onde poderá usar determinadas peças, suas chances de comprar algo que não tenha nada a ver com você ou com as outras coisas que já tem diminuem.
  4. Experimente sempre! As vezes na euforia a gente acaba levando uma peça linda pra casa, mas que não tem nada a ver com o nosso estilo ou tipo de corpo. E por mais lindas que sejam, são essas as peças que sempre nos arrependemos de comprar. Nunca deixe de experimentar, mesmo que depois você possa voltar pra trocar… pra que ter trabalho duas vezes? Melhor perder uns minutinhos na loja, do que perder uma quantia de dinheiro que você podia ter empregado em outra coisa que ia usar!
  5. Eleja algumas lojas que combinem com você. Claro que a gente não precisa comprar sempre no mesmo lugar, mas já conhecendo nosso estilo e gosto, a gente passa a se identificar mais com algumas marcas/lojas do que outras, o que pode ser bom, assim já sabemos onde procurar primeiro quando precisamos de algo, e a chance de errar diminui.
  6. Pense no custo-benefício. Evite comprar peças só porque estão muito baratas ou porque são de uma coleção nova e você precisa ter. É melhor investir em uma peça mais cara que você vai usar muito, do que uma barata que vai ficar encostada – já falei sobre isso aqui.
  7. Fuja de modismos. Conhecer tendências é legal e ajudam a gente a ter mais opções na hora de vestir, mas leve sempre em conta o que você realmente gosta e combina com você, assim você evita comprar aquela peça que está super em alta, mas você usou só uma vez porque na verdade não tinha nada a ver com você.

Essas dicas são meio que um exercício e a gente precisa praticar, assim, com o tempo fica mais fácil. Alguém já leva em conta algumas dessas opções na hora de comprar?